Modelo americana é internada com acidente vascular isquêmico transitório pós COVID-19

Nas últimas semanas, a internet foi tomada por comentários sobre o caso envolvendo a esposa de Justin Bieber


Hailey Rhode Bieber, 25 anos, é modelo, influencer, empresária e personalidade norte-americana. Recentemente, ganhou as páginas dos principais jornais e programas de TV por ter sido internada, às pressas, em 10/03, na cidade de Palm Springs, Califórnia, por conta de sintomas que se assemelhavam aos de um derrame cerebral.


Após o ocorrido, a modelo usou sua rede social, que possui mais de 41.8 milhões de seguidores, para falar sobre o que havia acontecido. Em um texto publicado em sua conta do Instagram, a modelo revelou que teve sintomas parecidos aos de um derrame.


Segundo Hailey, ela estava tomando café da manhã quando os primeiros sinais apareceram. "Comecei a ter sintomas de um derrame e fui levada para o hospital. Eles descobriram que eu sofria com um coágulo muito pequeno no cérebro, que causava a falta de oxigênio. Meu corpo cuidou disso sozinho e eu me recuperei em poucas horas. Embora esse tenha sido um dos momentos mais assustadores pelo qual já passei, eu estou em casa agora, bem e muito grata e agradecida pelos médicos e enfermeiros incríveis que cuidaram de mim", explicou a modelo em sua rede social.


A doença é um dos motivos mais comuns de morte na população adulta em nosso país. "O derrame cerebral é a segunda principal causa de mortes no Brasil e uma das mais recorrentes razões de sequelas e incapacidade no mundo. Por ser muito mais recorrente em idosos, as pessoas acham que os mais jovens estão livres de sofrerem um derrame, mas o que temos visto na prática clínica foi o grande aumento de casos envolvendo jovens e pessoas de meia idade, principalmente após a infecção pela COVID-19", observa a neurocirurgiã Vanessa Milanese, Diretora de Comunicação da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.


Ainda segundo a Dra. Vanessa, o diagnóstico precoce de um provável derrame cerebral é fundamental para o tratamento e qualquer sintoma atípico deve ser investigado por um especialista. "Ter um estilo de vida mais saudável, praticar atividade física, não fazer uso de tabaco, evitar uso de drogas e controlar a diabetes pode ajudar a reduzir em até 80% os casos de derrame", finaliza a neurocirurgiã.


Vale lembrar que quanto mais rápido o atendimento for realizado, menores são os danos e maiores as chances de recuperação.

164 visualizações